Livro Uma Mulher Livre e Uni-Duni-Tê

Como demorei para vir postar, dessa vez por motivo de férias, viagens e preguiça, resolvi falar de uma vez sobre os dos dois últimos livros que eu li. Os dois eu ganhei de cortesia da editar Record no ano passado, mas só esse ano eu consegui ler. Confesso que os dois livros eu não compraria e nem leria só pela capa e pela sinopse, e achei até que o livro Uma Mulher Livre seria chato. Mas me surpreendi com os dois.

Uma mulher livre – Danielle Steel
Dos deslumbrantes salões de baile de Manhattan para os horrores da Primeira Guerra Mundial, Danielle Steel nos leva para um mundo fascinante de uma jovem de espírito indomável. Nascida numa vida de luxo e glamour, Annabelle Worthington carrega o sobrenome, e a nobreza, de uma das famílias mais influentes de Nova York. Até que, num dia cinzento de abril, o Titanic afunda, levando junto o seu mundo. Seus pais e seu irmão mais velho estavam na viagem inaugural do majestoso navio, e apenas sua mãe sobreviveu. Para tentar confortar seu coração, Annabelle se voluntaria para trabalhar em um hospital, ajudando a cuidar dos enfermos, onde descobre sua verdadeira vocação. E, quando um homem nobre a pede em casamento, ela acredita que, enfim, voltará a ter dias felizes. Porém, novamente, o destino lhe prega uma peça, colocando-a no centro de um escândalo. Para fugir da tristeza que sua vida se tornou, ela vai para a Europa trabalhar no front da Primeira Guerra Mundial, ajudando a salvar os feridos. Na França, no auge do conflito, Annabelle consegue realizar um grande sonho: estudar medicina. O problema é que, mais uma vez, sua fé é colocada à prova, e ela precisará tentar retirar forças de uma grande tragédia se quiser renascer para uma nova vida. Com uma narrativa de tirar o fôlego e repleta de detalhes históricos, Danielle Steel nos apresenta uma de suas personagens mais fascinantes e singulares, e sua história inspiradora de dignidade, coragem e amor pela vida. – Sinopse por Skoob

Nesse livro, a mocinha sofre do início ao fim e quando você acha que finalmente algo bom vai acontecer, que o final feliz está vindo, ele não vem e ela sofre de novo. E você sofre junto com ela, já que tanto a história quanto a personagem principal são bem envolventes. Na verdade, Annabelle não é uma mulher livre, é uma mulher forte, que passa por tanta coisa e ainda assim consegue ter conquistas na vida. É uma personagem bem inspiradora. A única coisa ruim do livro é que a leitura é um pouco cansativa, mas o resto compensa.


Uni-Duni-Tê – M.J. Arlidge
Um assassino está à solta. Sua mente doentia criou um jogo macabro no qual duas pessoas são submetidas a uma situação extrema: viver ou morrer. Só um deverá sobreviver. Um jovem casal acorda sem saber onde está. Amy e Sam foram dopados, capturados, presos e privados de água e comida. E não há como escapar. De repente, um celular toca com uma mensagem que diz que no chão há uma arma, carregada com uma única bala. Juntos, eles precisam decidir quem morre e quem sobrevive. Em poucos dias, outros pares de vítimas são sequestrados e confrontados com esta terrível escolha. À frente da investigação está a detetive Helen Grace, que, na tentativa de descobrir a identidade desse misterioso e cruel serial killer, é obrigada a encarar seus próprios demônios. Em uma trama violenta que traz à tona o pior da natureza humana, Grace percebe que a chave para resolver este enigma está nos sobreviventes. E ela precisa correr contra o tempo, antes que mais inocentes morram. – Sinopse por Skoob

Esse livro me prendeu do início ao fim. Fiquei curiosa com o assassino desde o começo e não consegui parar de ler. Mas não é só o assassino que faz isso, os problemas dos outros personagens também, tanto dos policiais envolvidos, quanto das vítimas, pois os personagens são bem trabalhados. O fim é um pouco surpreendente e deixou um gostinho de quero mais, porém, devido a um fato com um determinado personagem que não vou falar aqui, não sei se lerei os possíveis próximos livros, já que tudo indica que terão mais livros com a personagem Helen Grace.

Eu gostei dos dois livros e acredito que vale apena dar uma chance a eles. Quem estiver procurando um livro para passar o tempo, indico os dois.

E vocês, quais os últimos livros que vocês leram? :)

4 Comentários

4 Comentários em "Livro Uma Mulher Livre e Uni-Duni-Tê"

  1. Mari Dahrug disse:

    O primeiro parece ser mais o tipo de livro que costumo ler, mas fiquei com vontade mesmo de ler o Uni-Duni-Tê!! Vou procurar!

    Beijos
    Mari Dahrug
    https://www.rabiskos.com.br

  2. Camila Faria disse:

    Oi Cris, dos dois livros acho que me envolveria mais com o Uni-Duni-Tê. Me lembrou um pouco a premissa do filme Jogos Mortais, acho que o mistério me prenderia do começo ao fim também. Acabei de ler Os Buddenbrook, do Thomas Mann e fiquei bem impressionada com a leitura, recomendo! Um beijo :*

  3. Clayci disse:

    Uma mulher livre não conseguiu me conquista, sério.
    Mas desejo MUITO ler uni duni te.. A capa, a sinopse, as resenhas que estou encontrando..
    Todos elogiando <3

  4. Dai Castro disse:

    Uni-duni-tê foi um livro que me surpreendeu bastante. Eu me prendi ao mistério e como você disse, o livro não nos prende só pelo assassinato, a construção da história é interessante. Mas, o nome acaba deixando muito a desejar, né? Acho que dá uma ideia totalmente errada da obra haha
    Beijos!
    Colorindo Nuvens